Centrais sindicais voltam a criticar novo aumento de juros em frente ao BC

Praticamente todas as centrais sindicais se uniram para defender uma única causa em prol dos trabalhadores: não ao aumento dos juros. (Foto: Erick Vizoki)

 

As principais centrais sindicais do Brasil (NCST, UGT, CGTB, CSB, Força Sindical, CUT, entre outras) voltaram a protestar, no último dia 19/01, em frente à sede do Banco Central (BC), na Av. Paulista, contra o novo aumento da taxa básica de juros (Selic).

Integrantes do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizaram sua primeira reunião do ano, naquele mesmo dia, em Brasília, para discutir o aumento em mais 0,5% na taxa Selic, o que eleva o tributo para 14,75% ao ano. Atualmente, a taxa está em 14,25%. A estimativa mediana é que, até o fim de 2016, a taxa Selic atinja o patamar de 15,25% ao ano. A decisão sobre a nova taxa ficou de ser anunciada no dia seguinte (20/01). Além disso, as instituições financeiras acreditam que a inflação fique acima do teto da meta para este ano, que é de 6,5%.

Não bastasse isso, a produção industrial também deve apresentar retração de 3,47% em 2016, contra 3,45% previstos na semana passada.

Diretores da Fenaac e do Sindicomunitário, juntamente com o presidente das duas entidades, José Roberto Prebill, que é também vice-presidente nacional da CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), marcaram presença para protestar contra esse novo aumento dos juros e defender a categoria dos agentes comunitários de saúde (ACS) e agentes de combate às endemias (ACE) de todo o País.

Roberto Prebill (dir.) no carro de som junto com Bira (esq.) e Paulinho da Força. (Foto: Erick Vizoki)

 

Além das centrais sindicais, diversos sindicatos de categorias variadas, outras entidades e movimentos populares se fizeram presentes. Entre elas, a Confederação das Mulheres do Brasil (CMB), Federação das Mulheres Paulistas (FMP), Congresso Nacional Afro-Brasileiro (CNAB), União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (UMES) e diversas outras.

Lideranças municipais, estaduais e nacionais se revezaram no carro de som estacionado em frente ao BC para discursar e criticar mais esse novo aumento de juros.

 

Discursos 

“Estamos hoje todos mobilizados aqui pelos nossos salários, nossos empregos e pela questão da saúde com qualidade para todos nós. Estamos enfrentando um descaso total em relação à saúde, porque esse dinheiro todo vai para os juros”, enfatizou Roberto Prebill.

Roberto Prebill e a secretária de Relações Internacionais da CGTB, Maria Rodrigues Pimentel, em frente ao BC durante o ato contra o aumento dos juros. (Foto: Erick Vizoki)

“Nós temos também hoje os agentes de saúde e os agentes de endemias do Brasil passando por momentos difíceis por conta dessa grande epidemia, que é a dengue, e eles estão lutando sem estrutura, sem salário digno. Há dois anos que nós não temos aumento salarial”, revelou. “Então nós temos que lutar por esses trabalhadores que lutam pela nossa saúde no dia a dia, no cotidiano, junto às nossas famílias. Hoje estou aqui com todos vocês, outros trabalhadores, para nos unir, para que esses juros baixem, para que nosso dinheiro sobre para a saúde, para recursos para a educação”, encerrou o sindicalista.

“Eu queria dizer para vocês que um governo que está no buraco, a primeira coisa que tem que fazer é parar de cavar. Porque quanto mais cava, mais fundo vai ficando o buraco”, criticou o presidente nacional da CGTB, Ubiraci Dantas de Oliveira, o Bira. “Senão, vejamos: no ano passado foram R$ 500 bilhões para a banqueirada internacional. É dinheiro que daria para resolver uma série de problemas no Brasil. Este ano, a presidente da República já prometeu aumentar as taxas de juros. Além disso, está propondo estabelecer a idade mínima para o trabalhador se aposentar. Essa atitude é impatriótica. E quem comete seguidamente atitudes impatrióticas é uma impatriota, está jogando contra o Brasil, está jogando contra os trabalhadores”, atacou o presidente.

Em nota divulgada pela internet, sob o título “A Previdência é superavitária! Não à idade mínima!”, Bira afirmou que a CGTB repudia a proposta de instituição da idade mínima para a aposentadoria, apresentada pela presidente Dilma Rousseff em entrevista à imprensa, após afirmar que ‘não é possível que a idade média da aposentadoria no Brasil seja 55 anos’. A medida prejudica os que começaram a trabalhar mais cedo, ou seja, os mais humildes”, criticou o presidente da CGTB.

Da esq. p/ dir.: Ilda Fiore (CMB), Roberto Prebill e Bira (CGTB). (Foto: Erick Vizoki)

 

“Todas essas centrais estão reunidas nesta grande unidade de ação importantíssima para dar uma demonstração de união para que, em Brasília, o governo e também a equipe econômica instalada naquele Ministério da Fazenda entendam que neste País ainda tem voz, ainda tem trabalhador, ainda tem unidade de ação para fazer com que os juros deste País venham para patamares aceitáveis”, discursou o secretário geral nacional da UGT (União Geral dos Trabalhadores).

Outros dirigentes também se pronunciaram, entre eles Miguel Torres (Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e CNTM) e o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD/SP), que voltou recentemente à presidência da Força Sindical.

Da esq. p/ dir.: João Paulo de Souza (diretor de base do Sindicomunitário - regional sul), Denis Santana (coordenador de eventos do Sindicomunitário), Lana Carvalho (coordenadora de cursos do Sindicomutário), Dr. João Paulo (Deptº Jurídico da Fenaac), Jorge Venâncio (secretário de Saúde do Trabalhador da CGTB), Roberto Prebill e Solange Cano (diretora de base do Sindicomunitário – regional sudeste). (Foto: Erick Vizoki)

>>>>CLIQUE NOS LINKS ABAIXO PARA ASSISTIR TRECHOS DA MANIFESTAÇÃO<<<< 

Roberto Prebill discursa em protesto contra novo aumento de juros - 19/01/2015

Em manifestação contra novo aumento de juros, Bira diz que Dilma é impatriota – 19/01/2016

Clique no ícone abaixo e veja as fotos da manifestação em nosso álbum no Facebook

Escrito por Fenaac

Atendimento: (11) 2153-4026- contato@fenaac.org.br
Av. Prestes Maia, 241 - 43º andar - Conj. 4301 - 
Vale do Anhangabaú - São Paulo - SP - CEP 01031-001

       

Style Setting

Fonts

Layouts( inner pages )

Direction

Template Widths

px  %

px  %